Eleições podem frear geração de empregos e enfraquecer moeda

Contribuição: Profº Rodrigo Leite

As propagandas eleitorais já estão liberadas e a corrida para virar votos começou. Em menos de dois meses, os eleitores decidirão quem governará o País pelos próximos quatro anos, além de votar para governadores, senadores e deputados federais, estaduais e distritais. Especialistas entrevistados pelo alegam que esse cenário interfere na geração de empregos, diminui investimentos e tende a alterar a valorização do câmbio. 

O primeiro turno será em 2 de outubro. Caso necessário, o segundo está marcado para 30 de outubro. A desconfiança do mercado poderá permanecer até depois dos resultados na urna.

“A palavra-chave do período eleitoral é incerteza. Em um período tão polarizado e disputado como esse, temos indefinições de quem será o vencedor e quais serão suas decisões”, pontua o economista Fábio Terra, professor na UFABC (Universidade Federal do ABC) e pós-doutor pela Universidade de Cambridge no Reino Unido.

A incerteza faz com que os empresários e investidores esperem, reduzindo, assim, a dinâmica econômica. “Eles seguram o dinheiro. Esse contexto pode durar até o segundo turno, se houver, e continuar até o momento que forem definidos os cargos-chave da economia, como Ministério da Fazenda, Ministério da Economia, Secretaria do Tesouro Nacional e Secretaria de Política Econômica.” 

Rodrigo Leite, professor de Finanças e Controle Gerencial do COPPEAD/UFRJ (Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro), reforça que há um compasso de espera para investimentos de curto e longo prazo. “A participação em debates ajuda os detentores de capitais a terem uma ideia do que esperar dos candidatos para o próximo governo”, comenta.

Para os especialistas, os efeitos deste momento dependem de como o mercado interpretará a corrida eleitoral, podendo esfriar a inflação (ação desinflacionária). “Se percebem muitos gastos ou sinais de futuras dívidas no país, os empresários tendem a recuar”, explica Rodrigo Leite.

(…)

Acesse o artigo na íntegra clicando aqui.

Rolar para cima