fbpx

Entrevista do professor COPPEAD/UFRJ sobre como o orçamento 2021 pode afetar a sua vida

Portal: iDinheiro

“Antes era uma pedalada ilegal, agora é uma pedalada legal. O governo vai continuar gastando mas sem contar no teto, diminui as despesas obrigatórias e vai ser aprovado crédito suplementar”.

Orçamento 2021 foi sancionado com vetos no último dia do prazo, na última sexta-feira, 23. O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) havia sido votado em março no Congresso, mas o governo passava por um impasse para conseguir aprová-lo sem ultrapassar o teto de gastos nem cometer crime de responsabilidade fiscal.

Somando os cancelamentos e bloqueios, o Orçamento perdeu R$ 29,1 bilhões em comparação com o projeto que havia sido aprovado no Congresso. O texto foi publicado no Diário Oficial da União na semana passada e prevê receitas por volta de R$ 4,18 trilhões e despesas em R$ 4,3 trilhões. 

Para viabilizar a volta do auxílio, os deputados aprovaram um projeto que dificulta promoções e contratações em cargos públicos, mexendo, dessa forma, em uma despesa obrigatória do governo.

Como a operação poderia ser considerada uma pedalada fiscal — o que levou ao impeachment da presidente Dilma em 2016 — o governo buscou formas de colocar o orçamento dentro da legalidade. O meio encontrado foi realizar cortes no orçamento de vários ministérios e permitir que gastos relacionados à pandemia furassem o teto de gastos.

“Antes era uma pedalada ilegal, agora é uma pedalada legal. O governo vai continuar gastando mas sem contar no teto, diminui as despesas obrigatórias e vai ser aprovado crédito suplementar”, resume o professor de finanças e controle gerencial do Coppead/UFRJ, Rodrigo Leite.

Para ler a matéria completa, clique aqui.

Rolar para cima