fbpx

Moedas complementares digitais e políticas públicas durante a crise da COVID-19

Tipo
Artigos

Ano
28/08/2020

Linha de Pesquisa
Formação, Crescimento e Transformação de Sistemas de Negócio, Organizacionais e Sócio-Econômicos

Autor(es)
Lauro Gonzalez, Adrian Kemmer Cernev, Marcelo Henrique de Araujo, Eduardo H. Diniz

Orientador

https://www.coppead.ufrj.br/wp-content/uploads/2020/10/Moedas-complementares-digitais-e-politicas-publicas-durante-a-crise-da-COVID-19.pdf


Revista de Administração Pública, v. 54, n. 4, pp. 1146-1160. Resumo: Programas de renda básica têm sido utilizados em todo o mundo como uma ferramenta para mitigar os efeitos adversos da crise da COVID-19. No Brasil, a implementação de iniciativas federais de renda básica emergencial (RBE) enfrenta um duplo desafio: a logística de distribuição de dinheiro e os critérios de elegibilidade dos cidadãos. No entanto, iniciativas de moedas complementares existem há muitos anos no Brasil, estando associadas especialmente aos bancos comunitários, os quais operam no nível local e possuem conhecimento mais aprofundado sobre as necessidades dos moradores. Este artigo analisa o uso de moedas digitais complementares no enfrentamento de desafios de distribuição de renda. Apresentamos o caso da moeda complementar digital Mumbuca E-Dinheiro, adotada pelo município de Maricá (RJ). Discutimos como esta iniciativa permitiu a distribuição de renda de forma rápida e segura com o objetivo de mitigar os efeitos da pandemia da COVID-19 no Brasil. Sugerimos que, no momento atual, a RBE poderia ser paga através do E-dinheiro, começando pelos municípios nos quais ele já atua e depois se expandindo para os demais. A interoperabilidade com outros atores do ecossistema de pagamentos e articulações com governos locais são medidas adicionais para dar escala ao uso das moedas complementares digitais no combate à crise do coronavírus.

Rolar para cima