Dívida das famílias, crédito e política monetária

Tipo
Artigos

Ano
14/10/2022

Linha de Pesquisa
Administração e Economia de Negócios

Autor(es)
Claudio Oliveira de Moraes, Maira Seonaid Viana Curvelo Sepúlvida, Raphael Moses Roquete, Fabio Costa Stoll

Orientador

http://dx.doi.org/10.12819/2022.19.10.2


Caso deseje uma cópia integral da tese/dissertação, por favor envie um e-mail para biblioteca@coppead.ufrj.br.

Revista FSA, v. 19, n. 10, pp. 25-44. Resumo: O comportamento da situação financeira das famílias vem despertando grande interesse da sociedade e dos policymakers. Da sociedade em função dos seus efeitos no bem-estar das famílias. Dos policymakers em função da gestão da estabilidade financeira. O artigo buscou apresentar evidências empíricas sobre o comportamento do endividamento das famílias brasileiras frente a mudanças nas condições de crédito e na política monetária no período de março de 2005 a fevereiro de 2020. O presente trabalho preenche uma lacuna da literatura de finanças do Brasil ao estudar os determinantes da situação financeira das famílias brasileiras. Em particular, o trabalho associa política monetária e endividamento das famílias de uma maneira original. No estudo, foram utilizadas séries temporais. As técnicas econométricas empregadas para as estimações foram o método de mínimos quadrados ordinários, métodos generalizados de momentos (GMM) e o sistema de equações via System-GMM. Os resultados do artigo sugerem que a política monetária e as taxas de juros de crédito têm impacto misto sobre a dívida das famílias. Um aumento nas taxas de juros reduz o estoque da dívida, porém aumenta o comprometimento da renda das famílias. Esse resultado sugere uma dinâmica distinta entre o estoque e o fluxo da dívida das famílias, sendo essa a maior contribuição do trabalho.

Palavras-chaves: Endividamento das Famílias. Mercado de Crédito. Política Monetária.

Tipo
Artigos

Ano
14/10/2022

Linha de Pesquisa
Administração e Economia de Negócios

Autor(es)
Claudio Oliveira de Moraes, Maira Seonaid Viana Curvelo Sepúlvida, Raphael Moses Roquete, Fabio Costa Stoll

Orientador

http://dx.doi.org/10.12819/2022.19.10.2


Caso deseje uma cópia integral da tese/dissertação, por favor envie um e-mail para biblioteca@coppead.ufrj.br.

Revista FSA, v. 19, n. 10, pp. 25-44. Resumo: O comportamento da situação financeira das famílias vem despertando grande interesse da sociedade e dos policymakers. Da sociedade em função dos seus efeitos no bem-estar das famílias. Dos policymakers em função da gestão da estabilidade financeira. O artigo buscou apresentar evidências empíricas sobre o comportamento do endividamento das famílias brasileiras frente a mudanças nas condições de crédito e na política monetária no período de março de 2005 a fevereiro de 2020. O presente trabalho preenche uma lacuna da literatura de finanças do Brasil ao estudar os determinantes da situação financeira das famílias brasileiras. Em particular, o trabalho associa política monetária e endividamento das famílias de uma maneira original. No estudo, foram utilizadas séries temporais. As técnicas econométricas empregadas para as estimações foram o método de mínimos quadrados ordinários, métodos generalizados de momentos (GMM) e o sistema de equações via System-GMM. Os resultados do artigo sugerem que a política monetária e as taxas de juros de crédito têm impacto misto sobre a dívida das famílias. Um aumento nas taxas de juros reduz o estoque da dívida, porém aumenta o comprometimento da renda das famílias. Esse resultado sugere uma dinâmica distinta entre o estoque e o fluxo da dívida das famílias, sendo essa a maior contribuição do trabalho.

Palavras-chaves: Endividamento das Famílias. Mercado de Crédito. Política Monetária.

Rolar para cima