fbpx

Carlos Heitor Campani concede entrevista sobre como a Bolsa deve repercutir a fala de Bolsonaro sobre a PEC emergencial e a “volta” de Lula

Portal: Seu Dinheiro

Bolsa deve repercutir fala de Bolsonaro sobre PEC emergencial e “volta” de Lula

O mercado deve manter as atenções nos próximos movimentos do ex-presidente Lula, que voltou a ter seus direitos políticos, com o exterior de olho no pacote de estímulos

Certa vez, neste mesmo espaço, cheguei a comparar o noticiário do dia com uma luta de sumô. Pois bem, hoje acredito que está mais próximo do judô, onde um oponente tenta literalmente jogar o outro no chão. Se ele cair de costas no chão, é considerado ippon, e a luta termina. 

Acredito que nem você, nem ninguém estava preparado para o ippon de ontem. Na parte da tarde, o ministro do Superior Tribunal Eleitoral (STF) Edson Fachin anulou todas as decisões tomadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba que envolviam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato.

Na prática, isso devolve os direitos políticos do ex-presidente, o que inclui estar apto para concorrer à eleição de 2022. Isso gerou uma onda de emoções no mercado, que precificou a volta do principal candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) ao jogo político e fez a bolsa cair mais de 3% no pregão de ontem

Para Carlos Heitor Campani, professor de finanças da Coppead, essa decisão vem em um momento de crise política e gera muita especulação para o futuro das reformas. Ele teme que as energias voltadas para a polarização acabem contaminando o clima do Congresso e transformem as discussões em jogos de interesse entre os candidatos, tirando o foco das necessidades do país. 

Assessoria de Comunicação: Contextual

Para ler a matéria completa, clique aqui.

Rolar para cima